Governo já investiu R$ 4,6 bilhões em infraestrutura desde 2015 e segue com agenda de obras até o final de 2022

Com investimento de R$ 4,6 bilhões em infraestrutura desde 2015, o governo estadual fortaleceu e promoveu o desenvolvimento do Estado, na manutenção e pavimentação de rodovias, obras em vias públicas, saneamento básico e construção de pontes de concreto. O planejamento é continuar com agendas (obras) até o final de 2022.

 

Esta política de obras e investimentos no setor visa melhorar a logística, escoamento da produção, tráfego dos veículos e qualidade de vida da população, ao melhorar as vias nas cidades e ainda ampliar o tratamento de água e esgoto, que contribui com a saúde pública dos cidadãos.

 

O governador Reinaldo Azambuja (PSDB) destaca que quanto mais obras de infraestrutura, mais o Estado vai se desenvolver e fortalecer sua economia. Por esta razão realizou o programa “Governo Presente”, onde ouviu as demandas dos 79 municípios e assim definiu seu pacote de investimentos no valor de R$ 4,2 bilhões até o final de 2022.

 

“É gratificante para nosso governo realizar obras que atendem diretamente o cidadão sul-mato-grossense, levando infraestrutura e encurtando distâncias entre os polos de produção, potencializando, assim, o agronegócio, atraindo novos investidores e contribuindo para o desenvolvimento econômico e social do Estado”, destacou o governador.

 

Rodovias

 

Os investimentos em manutenção de rodovias não pavimentadas e de pontes de madeira chegam a R$ 1,3 bilhão em seis anos e dois meses de mandato. Durante este período foram feitos 6 mil quilômetros de rodovias cascalhadas e 777 km de estradas implantadas e pavimentadas no Estado. Esta implantação equivale a distância de Campo Grande à Assunção no Paraguai.

 

Estes investimentos seguem a todo vapor, tanto que o governador em janeiro deste ano lançou mais 11 obras de pavimentação e restauração de 296 km de rodovias estaduais, com custo de R$ 376,9 milhões, para atender diferentes regiões do Estado e assim contribuir com a produção agroindustrial, turismo, escoamento e tráfego local.

 

Obra em execução na MS-382, Trecho Bonito Guia Lopes da Laguna (Foto: Chico Ribeiro)

Este último pacote de obras incluiu rodovias estaduais importantes, como MS-382, MS-166, MS-278, MS-156, MS-162, MS-447, MS-425, MS-450 e MS-352, que passam por municípios como Terenos, Dourados, Caarapó, Fátima do Sul, Maracaju, Dois Irmãos do Buriti, Guia Lopes da Laguna, Bonito e Sidrolândia.

A expectativa do governo é entregar até o final do segundo mandato R$ 2 bilhões em investimento para infraestrutura urbana e rural, que corresponde a 2.200 quilômetros de estradas para recapeamento e pavimentação. Para executar estes projetos são usados recursos próprios e advindos do Fundersul (Fundo de Desenvolvimento do Sistema Rodoviário do Estado de Mato Grosso do Sul).

 

O governador destacou que o objetivo é “encurtar” os caminhos e fazer as ligações entre os municípios e polos econômicos do Estado, para alavancar a economia local, com geração de empregos e renda à população. “Para termos capacidade para investir fizemos nosso dever de casa, com medidas duras e muitas vezes amargas, mas sempre pensando em melhorar a vida da população”.

 

Pontes de concreto

 

Uma das prioridades da atual gestão, a construção de pontes de concreto foi descrita pelo governador como essencial para melhorar o acesso a diferentes cidades e assim ajudar de forma efetiva o escoamento da produção. Desde o primeiro mandato já são 96 pontes (concreto) construídas, 18 continuam em execução e 12 já estão em fase de licitação.

 

Ponte sobre o Rio Brilhante (Foto: Chico Ribeiro)

 

O investimento em implantação, restauração e construção das pontes de concreto chegam a R$ 1,8 bilhão. Estes empreendimentos ajudam principalmente nas épocas de chuva no Estado, em que os níveis dos rios ultrapassam a cota de emergência nas regiões mais baixas, o que torna estas obras vitais à população.

 

Quase 50 municípios do Estado já receberam novas pontes de concreto ou estão com os projetos em andamento, em diferentes regiões. A expectativa é que sejam entregues 163 (pontes) até o final de 2022. No primeiro mandato (2015 a 2018) foram construídas 100 estruturas e são esperadas mais 63 ficarem prontas na atual gestão.

 

Estas ações são feitas por meio do programa “Mais Pontes”, que visam garantir segurança ao tráfego nos locais e aumentar o tempo de duração da estrutura. Com a troca (ponte de madeira por concreto) ainda se gasta menos com manutenção.

 

O secretário estadual de Infraestrutura, Eduardo Riedel, destacou que mesmo em tempos de crise, o governo de Mato Grosso do Sul continuou investindo em obras, atendendo as demandas dos municípios e melhorando a qualidade de vida da população. “Desde o começo da gestão o governo se mostrou municipalista e trabalhando para ter capacidade de investir. Vamos continuar trabalhando para recuperar nossa economia e fortalecer a geração de emprego”.

 

Obras urbanas e saneamento

 

Outra área prioritária do governo foi investir em saneamento básico, para ampliar o tratamento de água e esgoto para população. O governador destaca que as obras neste setor melhoram a qualidade de vida, pois se trata de investimentos que refletem diretamente na saúde pública.

 

A administração estadual investe R$ 1 bilhão nos 79 municípios desde 2015, somando o aporte com saneamento e as obras de infraestrutura urbana nas cidades. O governo também apostou em uma Parceria Público-Privada (PPP) do esgotamento sanitário, que foi sacramentado no começo de fevereiro.

 

Estação de Tratamento de Esgoto em Nova Alvorada do Sul (Foto: Chico Ribeiro)

 

Para isto haverá o aporte financeiro de R$ 3,8 bilhões da iniciativa privada, por meio da empresa Ambiental MS Pantanal, que vai administrar o serviço durante 30 anos, tendo como objetivo universalizar o tratamento de esgoto em 68 cidades, até 2031.

 

“Isso representa um ganho extraordinário para o meio ambiente e a qualidade de vida de 1,7 milhão de sul-mato-grossenses. Com a PPP da Sanesul vamos abreviar tempo e antecipar investimentos que demoraríamos muitos anos para se concretizar”, ressaltou o governador.

 

Outra demanda desde o primeiro mandato foram as obras civis no Estado, que tiveram o investimento de R$ 394 milhões. “Temos que dar sequência às nossas ações de desenvolvimento, com toda a cautela e responsabilidade. Estamos mantendo uma agenda de obras essenciais em todas regiões, para melhoria da infraestrutura destes municípios”, descreveu Riedel.

Universidade Federal de Mato Grosso do Sul: estudantes recebem propostas para desenvolvimento de softwares

Até 4 de março a comunidade interna e externa à Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS pode submeter propostas para serem desenvolvidas pelo Núcleo de Práticas em Engenharia de Software da Faculdade de Computação (Facom).

 

O Núcleo é composto por estudantes do curso de Engenharia de Software, que buscam ideias inovadoras para colocar em prática os conhecimentos adquiridos na graduação, ao mesmo tempo que atende necessidades da sociedade. “Nosso objetivo com o Núcleo de Práticas de Software é proporcionar aos alunos uma experiência prática de desenvolvimento de software e proporcionar à sociedade a possibilidade de submissão de ideias para a Universidade”, explica o professor Rodrigo Funabashi.

 

Não há restrições para as ideias de software que podem ser desenvolvidas, desde que sigam os critérios de elegibilidade descritos no edital (disponível no fim da notícia). “Essas ideias podem ser de diversos contextos”, afirma Rodrigo. “As ideias passam por uma triagem, uma seleção feita pelos professores que fazem parte da comissão e logo após os alunos escolhem qual projeto vão desenvolver. Nós já trabalhamos com projetos dentro da área de segurança pública, dentro da área de saúde, dentre outros”.

 

A submissão de propostas será feita pelo preenchimento do formulário disponível em link.ufms.br/1b7n0. Pelo menos um dos proponentes de cada proposta deverá realizar uma apresentação oral da sua ideia, em horário agendado pela comissão do Núcleo de Práticas. O resultado preliminar será divulgado em 8 de março.

 

 

Desembargadora do Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul ”recebe pena” de aposentadoria compulsória do CNJ

O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) determinou a aposentadoria compulsória com vencimentos proporcionais ao tempo de serviço para a desembargadora Tânia Garcia de Freitas Borges, do Tribunal de Justiça do Mato Grosso do Sul (TJMS). No julgamento do Processo Administrativo Disciplinar nº 0009550-19.2018.2.00.0000, a maioria dos conselheiros entendeu ter havido o uso da condição de desembargadora para agilizar o cumprimento de habeas corpus que garantia a remoção do filho preso preventivamente para uma clínica psiquiátrica, conforme voto divergente apresentado pelo conselheiro Luiz Fernando Tomasi Keppen.

 

No julgamento, ocorrido durante a 325ª Sessão Ordinária, realizada na terça-feira (23/2), foi analisado também se a magistrada interferiu na audiência de custódia do filho Breno Fernando Solon Borges, se utilizou veículo descaracterizado do TJMS para transportá-lo do presídio de Três Lagoas (MS) até uma clínica psiquiátrica para onde foi autorizada a remoção e se compareceu ao presídio na companhia de policiais civis para pressionar pela liberação e remoção do filho antes do envio do mandado judicial e do cumprimento dos trâmites previstos pela Agência Estadual de Administração do Sistema Penitenciário (Agepen).

 

O conselheiro Luiz Fernando Tomasi Keppen considerou que, com exceção da interferência na audiência de custódia, são procedentes as outras três imputações à conduta da magistrada, entendendo que estão concatenadas. Ele avaliou que ocorreram violações dos deveres de integridade pessoal e profissional (art. 15, 16, 17 e sobretudo 18) e dignidade, honra e decoro (art. 37), todos do Código de Ética da Magistratura Nacional. “Também foi violado o dever previsto na Lei Orgânica da Magistratura (Lomam) de ‘manter conduta irrepreensível na vida pública e particular’”.

 

Para o conselheiro, “ainda que compreensível sua aflição, em razão da tragédia pessoal que sobre ela se abateu, não há justificativa para seu comportamento, porquanto o cargo que ocupa exige habilidades como o tirocínio, discernimento e distanciamento que a Magistrada, obviamente, não ostentou na ocasião”. Para ele, houve ação por interesses pessoais e, na condição de mãe e curadora do filho, a desembargadora deixou de observar cautelas mínimas necessárias, confundindo as esferas da vida privada e pública.

 

A relatora do processo, conselheira Maria Tereza Uille Gomes, havia julgado o processo parcialmente procedente. Mas, quanto à pena, embora considerasse por aplicar a censura, esta não seria cabível, uma vez que a Lei Orgânica da Magistratura Nacional (Loman) somente autoriza a aplicação das penas de advertência e censura aos juízes de primeira instância. O voto foi acompanhado pelos conselheiros Emmanoel Pereira, Candice Lavocat Galvão Jobim, Flávia Pessoa e Henrique Ávila. O conselheiro Mário Guerreiro apresentou divergência pela aplicação da pena de disponibilidade.

 

Fonte: CNJ

Projeto do Estado que destina recursos não resgatados do Nota Premiada para habitação é aprovado na Assembleia Legislativa

Foi aprovado o projeto que destina recursos não resgatados do programa Nota MS Premiada para o Fundo de Habitação de Interesse Social (FEHIS), que gerencia as verbas para construção de casas populares às pessoas de baixa renda. A proposta enviada pelo governador Reinaldo Azambuja teve apoio unânime dos deputados, na Assembleia Legislativa.

 

A proposta acrescenta um novo artigo a lei nº 5.463, que instituiu o programa Nota MS Premiada no Estado. “Dessa forma, o programa, além de fomentar a cidadania fiscal no Estado de Mato Grosso do Sul, beneficiará a população de baixa renda sul-mato-grossense, mediante destinação dos saldos não resgatados pelos contemplados no prazo legal”, justificou o governador.

 

O projeto chegou à Assembleia em 26 de novembro do ano passado, tendo a primeira discussão no dia 15 de dezembro. Nesta quarta-feira (24), durante a sessão, os deputados aprovaram a matéria em definitivo. Como não houve apresentação de emendas, já segue para sanção.

 

Os recursos “perdidos” do programa são aqueles em que os contribuintes premiados não fizeram o resgate dos valores em um prazo de 90 dias. Neste momento trata-se da quantia de R$ 906,2 mil. Esta verba volta para os cofres públicos. Após a publicação da lei no Diário Oficial do Estado, o montante irá seguir para o fundo de habitação.

 

O chefe da Unidade Fiscal da Secretaria Estadual de Fazenda, Amarildo Cruz, explicou que este recurso não resgatado voltava para o Tesouro do governo estadual, então o governador resolveu direcionar a verba para o setor de habitação e assim contribuir com a construção de moradias para população mais carente.

 

Programa

 

O programa Nota Premiada foi criado pelo governador Reinaldo Azambuja para incentivar o contribuinte a exigir a emissão de notas fiscais, na hora das compras no comércio. Desta forma reduz a sonegação de impostos e ajuda na arrecadação do Estado.

 

Para definir os vencedores, o programa segue os sorteios das dezenas da Mega-Sena. Os consumidores concorrem ao prêmio de R$ 300 mil. Deste valor, R$ 100 mil é dividido para os contribuintes que acertarem as seis dezenas e R$ 200 mil ficam entre aqueles que fizeram a quina.

 

Para participar (sorteio) o contribuinte deve exigir “CPF na nota” na hora da compra e depois conferir no sistema do programa se foi premiado. Caso seja um dos contemplados, terá que fazer o cadastro no site para receber os valores na conta bancária.

 

“O cidadão passa a atuar como colaborador do fisco estadual, fiscalizando o recolhimento dos tributos ao exigir a emissão da nota fiscal. Uma ação que pode parecer simples para a maioria dos cidadãos, mas que tem como efeito imediato coibir a concorrência desleal, para que todos os comerciantes cumpram suas obrigações tributárias”, destacou o secretário estadual de Fazenda, Felipe Matos.

Ambiente positivo para investimentos na rodovia MS-306 resulta boas expectativas para novas concessões no Estado

O ambiente positivo para os investimentos na MS-306, após a concessão da rodovia à iniciativa privada e acesso a financiamento, gera boa expectativa para novos processos neste modelo em Mato Grosso do Sul. O governo estadual já avalia várias possibilidades em diferentes setores, que buscam gerar mais desenvolvimento o Estado e melhorar a qualidade de vida da população.

 

O caminho bem trilhado incentiva novos segmentos para parcerias com a iniciativa privada, como nas concessões de parques estaduais, que está sob estudo do BNDES (Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social), assim como projetos que estão em andamento, entre eles as infovias digitais e a revisão das matrizes energéticas, para construção de usinas fotovoltaicas, que vão gerar energia limpa.

 

“Nota-se que o mercado está bem receptivo a projetos que venham atender as novas tendências, como o aumento exponencial da demanda por informação digital e a revisão da matriz energética. Nesse contexto, projetos que disponibilizem serviços de acessibilidade digital e energia sustentável ganham destaque”, revelou a secretária especial Eliane Detoni, do Escritório de Parcerias Estratégicas (EPE).

 

Eliane considera que sucesso é resultado do bom projeto (Foto: Chico Ribeiro)

Ela destacou o mercado financeiro está bem receptivo aos projetos de concessões e Parcerias Público-Privadas (PPP), apesar da pandemia do coronavírus. “Está bem receptivo em modelos que permitam construir garantias de execução compatíveis com as exigências de financiadores. Esse é um dos aspectos desafiadores do trabalho desenvolvido pelo Escritório de Parcerias Estratégicas”, acrescentou.

 

A concessão da rodovia MS-306 foi a primeira realizada pelo governo estadual, em abril de 2020. A previsão é que com as obras e investimentos na via possa se reduzir os acidentes, tornar o tráfego mais ágil e seguro, assim como favorecer o escoamento da produção local. O empreendimento também gera empregos para as cidades próximas, com abertura de 230 vagas (empregos) diretas e mais 300 indiretas ao logo dos serviços.

 

Eduardo Riedel ressalta o fortalecimento da economia com projetos de logística (Foto: Chico Ribeiro)

 

 

 

O secretário estadual de Infraestrutura, Eduardo Riedel, destacou que o bom desenvolvimento da concessão se trata de um trabalho bem feito pelo governo estadual, que se empenhou desde a formação do projeto, para que fosse oferecido um bom serviço ao usuário e população.

 

“O governo tomou muito cuidado em apresentar um projeto bem estruturado. É o desenvolvimento de um local estratégico para o escoamento e fortalecimento da nossa produção. E se nossos municípios crescem, Mato Grosso do Sul avança, gerando mais emprego e renda para população”, descreveu o secretário.

 

Financiamento e fatores positivos

 

Além da expectativa de investimento de R$ 1,7 bilhão na rodovia, nos próximos 30 anos, outros fatores positivos já aparecem na concessão do trecho. A concessionária Way-306 anunciou que realizou uma operação de financiamento em longo prazo, no valor de R$ 315 milhões, obtido por meio de emissão de “debêntures”, que se trata de títulos de crédito, sendo a primeira (concessionária) a conseguir no País este projeto (financeiro) no setor de rodovias.

 

“É uma prova de confiança e reconhecimento pelo mercado da qualidade e execução do nosso projeto. Essa característica de autofinanciamento, tendo somente como garantias do próprio projeto, Project Finance, é inédita no setor de concessões rodoviárias”, explicou Giovanni Mott, diretor administrativo e financeiro da Way-306.

 

Concessionária trabalha na manutenção da rodovia MS-306 (Foto: Consórcio Way 306)

 

Ele ressaltou que o acesso a estes recursos asseguram os investimentos necessários para as obras de melhorias, assim como os serviços na rodovia, nos próximos anos. Após assumir a administração da via, cabe a empresa a responsabilidade de obter financiamento para cumprir suas obrigações contratuais.

 

“Este financiamento foi bem sucedido. A recente emissão do mercado de R$ 315 milhões em títulos de dívida obteve o dobro de procura em relação a oferta. Isto permitiu uma taxa de juros considerada muito boa (IPCA + 6%) para o projeto”, ressaltou Detoni.

 

Ela indica que o sucesso desta transação se deve ao modelo da concessão da rodovia, com projeções realistas dos investimentos, assim como dinamismo do setor agropecuário, que atenua os riscos de demanda na via. “Assim como a credibilidade do consórcio, que teve bom desempenho na rodovia federal BR-050”.

 

Investimentos

 

O planejamento é que durante os 30 anos de concessão sejam investidos R$ 930 milhões em obras de melhorias e infraestrutura, sendo R$ 600 milhões nos primeiros anos, e mais R$ 843 milhões na prestação de serviços de atendimento aos usuários. A empresa divulgou que neste primeiro ano já faz um aporte de R$ 110 (milhões) para recuperação de pavimento e construção de edificações.

 

Governador destaque que benefício é para todo MS ( Foto: Chico-Ribeiro)

“Estes investimentos vão trazer segurança na rodovia, conforto, praças de pedágio que vão dar segurança ao usuário, aos carros e com carros de apoio. Segurança total, aos moldes das rodovias que são concessionadas. Ainda alivia ao Estado, pois este investimento será feito pelo setor privado. É vantajoso para todos os lados”, afirmou o governador Reinaldo Azambuja.

 

Além das obras em andamento, a rodovia já conta com serviço de atendimento e ação de resgate, com socorro mecânico e médico aos usuários, além de inspeção do tráfego, combate a incêndios e apreensão de animais, por meio de veículos e equipes de profissionais especializados.

 

A expectativa é de ter vigilância durante 24 horas nos 219,5 quilômetros da rodovia. A empresa divulgou que o tráfego de veículos foi 4,5% acima do esperado em 2020, sendo registrado em 8 de maio a 31 de dezembro, o fluxo de 2,175 milhões de veículos no trecho. Já as praças de pedágios devem começar as operações em 22 de março.

Observatório de Turismo da Prefeitura de Corumbá inicia pesquisa sobre ocupação nos meios de hospedagens urbanos

A Prefeitura Municipal de Corumbá, por meio da Fundação de Turismo do Pantanal, realiza trabalho de coleta de dados para medir a taxa de ocupação nos hotéis, pousadas e hostels da cidade.

 

De acordo Elisângela Sienna da Costa Oliva, diretora-presidente da FUNDTUR/Pantanal, essa pesquisa tem como objetivo quantificar o número de turistas que visitam Corumbá, como também identificar os meses de maior fluxo de ocupação nos meios de hospedagem do município.

 

Técnicos da FUNDTUR/Pantanal, adotando medidas de biossegurança, visitaram hotéis, pousadas e hostels de Corumbá, no qual estão sendo colhidas informações sobre origem, tempo de permanência, motivo da visita dos turistas nacionais e internacionais, entre outras informações.

 

Esse levantamento ocorre por meio digital, onde um link foi encaminhado por e-mail institucional da FUNDTUR/Pantanal. Os dados obtidos com a quantificação do fluxo de turistas, possibilitará que o município conheça melhor a demanda e o perfil dos turistas. São informações importantes, para a Fundação de Turismo do Pantanal e para o trade turístico da cidade.

 

Forças de segurança pública de Mato Grosso do Sul vão receber 590 viaturas neste ano, anuncia o governador

Na Delegacia Geral da Polícia Civil, ontem (22), o governador Reinaldo Azambuja entregou 127 viaturas para as Polícias Militar e Civil e para o Corpo de Bombeiros Militar nesta segunda-feira (22) e anunciou que, até o fim do ano, serão entregues 590 veículos.

 

“A gente fortalece ainda mais as estruturas da segurança pública nos 79 municípios. Hoje são 127, mas o previsto para o ano de 2021 são 590 novas viaturas, que vão fortalecer, que vão para a fronteira com proteção balístico, que dão segurança ao bom policial que desempenha as suas funções. Isso é fundamental, fruto da economia da Secretaria de Justiça, do Fundo Estadual de Segurança, das emendas da bancada federal”, disse Reinaldo Azambuja.

 

Já o secretário Antonio Carlos Videira destacou o desempenho das forças de segurança, responsáveis pelo recorde de 750 toneladas de drogas apreendidas no ano passado, e destacou que grande parte das viaturas vão ser destinadas para o interior, principalmente para cidades fronteiriças. “Essas 590 novas viaturas para atender Mato Grosso do Sul são consequências do apoio incondicional daqueles que estão na fronteira, nas nossas divisas, defendendo Mato Grosso do Sul e trazendo resultados não só para nosso Estado, mas para todo o país”, disse.

 

Dos veículos entregues nesta segunda-feira (22), 43 vão ficar em Campo Grande e 84 serão distribuídos em 63 municípios do interior. O investimento é de R$ 23,8 milhões. Foram entregues 82 SUV 4X4 para a Polícia Civil, 20 SUV 4X4 para a PM, 10 SUV 4X4 ao Batalhão de Polícia de Choque, duas caminhonetes 4X4 ao Bope, cinco para a Polícia Rodoviária Estadual e três para o DOF e cinco Unidades de Resgate para o Corpo de Bombeiros Militar.

 

Os recursos são originários de emendas da bancada federal e de repasses do Ministério da Justiça ao Fundo de Segurança Pública de Mato Grosso do Sul (FESP), mediante convênios, além de contrapartida do Governo do Estado.

 

 

Também participaram da cerimônia os oito deputados federais, os secretários estaduais Eduardo Riedel (que está deixando a Segov para assumir o comando da Seinfra) e Sergio de Paula; o presidente da Assembleia Legislativa, Paulo Corrêa; o delegado-geral da Polícia Civil, Marcelo Vargas, e o comandante do Corpo de Bombeiros Militar, Joilson Alves do Amaral, que estão deixando a função; o diretor-presidente da Sanesul, Walter Carneiro Junior; o presidente da Assomasul, Valdir Junior; além de diversos deputados estaduais e prefeitos.

Fundtur assina termos de colaboração com selecionados em editais de apoio ao fomento do turismo estadual

A Fundação de Turismo de Mato Grosso do Sul (FundturMS) assinou, na última semana, mais cinco termos de colaboração com entidades e municípios selecionados nos editais de apoio a eventos geradores de fluxo turístico, promoção, comercialização e execução de levantamentos estatísticos, publicados em 2020.

 

Este ano os editais para execução de ações de promoção, divulgação e apoio à comercialização dos destinos e produtos turísticos contemplam a Rota Pantanal-Bonito, que será executado através do Convention Bureau de Bonito; e a região turística Campo Grande – Caminho dos Ipês, através da seleção do Campo Grande Destination. Esta região engloba os municípios de Campo Grande, Corguinho, Dois Irmãos do Buriti, Jaraguari, Nova Alvorada do Sul, Ribas do Rio Pardo, Rio Negro, Rochedo, Sidrolândia e Terenos.

 

Para o diretor-presidente da Fundtur-MS, Bruno Wendling, são termos de colaboração importantes para o turismo sul-mato-grossense. “Descentralizamos os recursos financeiros para apoio a ações de promoção e comercialização das principais regiões turísticas do Estado e agora estamos assinando com as regiões turísticas Campo Grande – Caminho dos Ipês e Rota Pantanal Bonito. Estamos dando apoio a eventos também, especialmente os eventos esportivos out door como o 5° Trail Run Serra da Bodoquena, organizado pelo Instituto de Cultura e Desenvolvimento Solidário Máxima Social, para que os destinos tenham fôlego nesse momento de pandemia e, aos poucos, recuperem turistas. Isso vai ajudar os empresários que estão nessas regiões turísticas” salienta.

 

Destaque também para o apoio da Fundtur ao projeto para a realização de pesquisas, execução de levantamentos estatísticos e a produção de relatórios sobre a Matriz de Insumo – Produto do Turismo de Mato Grosso do Sul, que teve como entidade selecionada o Instituto de Pesquisa Fecomércio – IPF.

 

Os editais de Chamamento Público que a Fundação de Turismo MS vem realizando desde 2017, objetivam a democratização do acesso aos recursos disponíveis para o fomento do turismo de Mato Grosso do Sul.

Em entrega de motoniveladoras, governador Reinaldo Azambuja anuncia mais de mil equipamentos para agricultura familiar

Ao entregar 28 motoniveladoras para 43 municípios de Mato Grosso do Sul nesta segunda-feira (22), o governador Reinaldo Azambuja anunciou a aquisição de outros 1.196 maquinários e implementos agrícolas em benefício de pequenos produtores, assentados, comunidades indígenas e quilombolas. Ele disse que os equipamentos serão comprados com recursos próprios do Governo do Estado e de emendas da Bancada Federal.

 

“Todas as 79 cidades do Estado receberão máquinas e equipamentos – e apoio para a agricultura familiar na recuperação de estradas vicinais, que melhoram a trafegabilidade e o escoamento da produção. Essa é mais uma grande parceria que construímos”, anunciou o governador.

 

Reinaldo Azambuja destacou a cooperação dos deputados federais e senadores no aparelhamento do setor produtivo. Ele lembrou que o trabalho em conjunto tem gerado frutos para Mato Grosso do Sul. “Governar é construir parcerias e ações. Tomamos atitudes necessárias ao longo dos anos e hoje temos capacidade de fazer esses investimentos beneficiando a população”, emendou o gestor.

 

Maquinários foram comprados com recursos do Governo do Estado e de emendas parlamentares federais (Foto: Edemir Rodrigues)

 

Motoniveladoras

 

Com investimento aproximado de R$ 14 milhões, as motoniveladoras entregues hoje foram adquiridas com recursos estaduais e do Mapa (Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento), empenhados pelos deputados federais licenciados Geraldo Resende e Tereza Cristina; pelo deputado federal Luiz Ovando; e pelo senador Nelson Trad Filho.

 

Recém nomeado secretário estadual de Infraestrutura, Eduardo Riedel acompanhou as entregas, falou do perfil municipalista do Governo do Estado e destacou a harmonia do Executivo com os demais poderes e as prefeituras. “A boa política gera frutos para a sociedade. Hoje, essas entregas de motoniveladoras são exemplos do trabalho que temos feito em parceria”, avaliou.

 

Disponibilizadas para conservação e manutenção de estradas vicinais, as motoniveladoras são demandas recorrentes dos municípios sul-mato-grossenses. Com a rica produção que sai das propriedades rurais, a correta manutenção das estradas vicinais garante mais qualidade no transporte, menos desperdício, melhor manejo e mais renda para os produtores.

 

Os maquinários ainda auxiliam no trânsito da área rural, explicou o secretário Jaime Verruck, da Semagro (Secretaria Estadual de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar). “Essa entrega é simbólica neste momento de chuvas que estamos passando. Certeza que cada um dos prefeitos aqui tem ideia de estrada que devem ser arrumadas”, pontuou.

 

Maquinários vão beneficiar 43 municípios de MS

 

Distribuição

 

  • 13 motoniveladoras irão para os municípios de Amambai, Batayporã, Caarapó, Chapadão do Sul, Coronel Sapucaia, Iguatemi, Itaporã, Jardim, Japorã, Maracaju, Naviraí, Rio Brilhante e Três Lagoas (compradas com emenda do então deputado federal Geraldo Resende);

  • 5 motoniveladoras para a Agesul (adquiridas com emenda do senador Nelson Trad Filho);

  • 5 motoniveladoras para a Agesul (obtidas recursos próprios do Governo do Estado);

  • 1 motoniveladora atenderá o Cidema – composto pelas cidades de Anastácio, Antônio João, Aquidauana, Bela Vista, Bonito, Bodoquena, Camapuã, Caracol, Guia Lopes da Laguna, Nioaque, Maracaju, Miranda, Rio Negro, Rochedo, Ponta Porã, Porto Murtinho e Sidrolândia (ecomprada menda do senador Nelson Trad Filho);

  • 1 motoniveladora será entregue para o  Cointa – formado pelos municípios de Alcinópolis, Bandeirantes, Camapuã, Costa Rica, Coxim, Figueirão, Paraíso das Águas, Pedro Gomes, Rio Negro, Rio Verde, São Gabriel do Oeste e Sonora (adquirida com emenda do senador Nelson Trad Filho);

  • 1 motoniveladora seguirá para Nioaque (obtida com emenda do senador Nelson Trad Filho);

  • 1 motoniveladora vai para São Gabriel do Oeste (comprada com emenda do deputado federal Luiz Ovando);

  • 1 motoniverladora será destinada para Ivinhema (adquirida com emenda da então deputada federal Tereza Cristina).

 

Presenças

 

Também estiveram presentes nas entregas de hoje os secretários estaduais Geraldo Resende (Saúde), Sérgio de Paula (Gestão Política) e Sérgio Murilo (Governo e Gestão Estratégica); os deputados federais Bia Cavassa, Luiz Ovando, Rose Modesto e Vander Loubet; o presidente da Assembleia Legislativa de MS, deputado Paulo Corrêa, acompanhado os deputados estaduais Barbosinha, Coronel Davi, Gerson Claro, João Henrique Catan, Lídio Lopes, Mara Caseiro, Marcio Fernandes, Renato Câmara e Rinaldo Modesto; e o diretor-presidente da Agraer (Agência de Desenvolvimento Agrário e Extensão Rural), André Nogueira Borges; além de prefeitos e vices das cidades beneficiadas.