Governo do Estado realiza mais de 500 obras nos municípios, destaca secretário de Infraestrutura

Com um saldo de mais de 500 obras executadas, o secretário de Estado de Infraestrutura, Marcelo Miglioli, destacou a forma municipalista que o governador Reinaldo Azambuja conduz a gestão estadual. “O Governo de Mato Grosso do Sul, através de uma gestão municipalista e que privilegia as parcerias, consegue entregar mais de 500 obras, atendendo a população e todos os 79 municípios”, garantiu ao proferir palestra no Seminário da União dos Vereadores, realizado na sede da Associação dos Notários e Registradores (Anoreg), em Campo Grande.

 

Miglioli disse que realizar obras significa gerar empregos, movimentar a economia e construir bases para o progresso e uma vida melhor, assinalando que somente no ano e 2017 foram aplicados R$ 1,6 bilhão em infraestrutura nos 79 municípios.

 

Esses investimentos ocorrem em permanente interlocução com as prefeituras e câmaras municipais “para atendermos as reais necessidades da população de cada município, aplicando melhor o dinheiro disponível naquilo que realmente é prioridade  para as pessoas”.

 

Na parceria com a bancada federal, o Governo do Estado dobrou os investimentos das emendas que beneficiaram os municípios (Foto)

 

O titular da Seinfra ainda falou que o governador Reinaldo Azambuja implantou uma nova forma de fazer política, assinalando que a transparência dos atos públicos foi o primeiro passo. De uma nota 1,4, em 2015, o Portal evoluiu para a nota 10 em 2016 e 2017, um avanço de 740%, conforme atestado pelas 16 instituições que formam a Rede de Controle da Gestão Pública de MS – Advocacia Geral da União; Controladoria Geral da União; Ministério Público Estadual; Polícia Federal e Tribunal de Contas da União, dentre outras.

 

Na parceria com a bancada federal, o Governo do Estado dobrou os investimentos das emendas que beneficiaram os municípios. “Para cada real aplicado através de emenda, o Governo colocou mais um real, dobrando os benefícios para a população residente nos municípios atendidos”. Também ressaltou que “Reinaldo Azambuja foi prefeito e conhece as dificuldades”, lembrando que todos municípios recebem obras e serviços do Governo de MS, sem nenhuma discriminação.

 

“A obra que dá mais prejuízo é aquela que não termina”, afirmou Marcelo Miglioli, ao falar do primeiro programa lançado pelo atual Governo, o Obra Inacabada Zero – que já concluiu  97% das obras inacabadas – investindo R$ 734,8 milhões, em 208 empreendimentos espalhados em  mais de 36 municípios.

 

A Estrada da Água Fria (paralisada há mais de uma década) liga Maracaju ao trevo da BR-060 (Foto: Chico Ribeiro)

 

O secretário mencionou a pavimentação da MS-460, a Estrada da Água Fria (paralisada há mais de uma década), a retomada do Hospital do Trauma (parado há 20 anos) e o término da sede da Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (Uems) de Campo Grande, obra semiacabada.

 

Regionalização

 

A política de gestão comprometida com os municípios pode ser vista na Caravana da Saúde, realizada no início da administração para atender uma demanda reprimida no setor de saúde. Foram realizados 500 mil procedimentos médicos e mais de 28 mil cirurgias em 80% dos municípios do Estado.

 

Superada a fase inicial, Miglioli disse que foi iniciado um grande programa de regionalização da saúde com investimentos nos hospitais do Câncer e do Trauma, em Campo Grande; modernização e novo modelo de administração no Hospital Regional de Ponta Porã; e construção dos hospitais regionais de Três Lagoas e Dourados. “Tudo para aproximar a assistência das pessoas que moram nos municípios”, observou.

 

Apesar do corte dos recursos para a construção de moradias, o Governo do Estado já assegurou teto para 12.160 famílias que receberam 11.762 habitações e 454 lotes urbanizados. Os lotes foram classificados pelo secretário como uma iniciativa “inteligente e criativa que une forças do Estado, das prefeituras e da população”.

 

O programa atende famílias com renda de até R$ 4,6 mil. A prefeitura doa o terreno com infraestrutura básica (água, energia, arruamento e iluminação pública). O Estado constrói a fundação, instalações hidráulicas e sanitárias, contrapiso e primeira fiada em alvenaria e a família beneficiada entra com a mão de obra e a compra do material restante. “Vantagem principal: quando a casa está pronta não há 20 anos de prestação para pagar”, assinalou, recomendando as prefeituras e a aderirem ao programa.

 

O Governo do Estado já assegurou teto para 12.160 famílias que receberam 11.762 habitações e 454 lotes urbanizados (Foto: Edemir Rodrigues)

 

Citando o ministro da Saúde, Ricardo Barros, o secretário da Seinfra afirmou que segundo os novos cálculos da Organização Mundial de Saúde (OMS) para cada R$ 1,00 investido em saneamento, economiza-se R$ 9,00 em saúde. Por isso, o Governo de MS vai investir R$ 1 bilhão até o final de 2018 em sistemas de água potável e de coleta e tratamento de esgoto.

 

“São 234 obras em 68 municípios e 55 distritos, compondo 2,9 mil km de redes coletoras de esgoto, 49 poços tubulares profundos e 56 reservatórios, dentre outros serviços.

 

Transportes

 

A parceria com as prefeituras e câmaras municipais acontece de forma clara na realização de obras de recapeamento de vias estruturantes nas cidades, serviço que diminui custos de manutenção da malha viária e permite às prefeituras realizarem maiores investimentos nos bairros, sem contar que gera mais segurança e fluidez no tráfego. Miglioli disse que até 2016 era impossível os parlamentares concretizarem emendas para recape de vias.

 

Outra estratégia de Governo é a construção de pontes de concreto, uma vez que as pontes de madeira não suportam o volume de trânsito de caminhões e geram alto custo de manutenção. O Estado tem 95 pontes programadas: 53 prontas, 12 em execução, 14 em execução de projeto e 16 em licitação. Também foram implantados cinco mil quilômetros de rodovias vicinais estaduais, assegurando o escoamento da produção e o ir e vir das pessoas em todas as épocas do ano.

Corumbá: Carnaval injetou mais de R$ 14 milhões na economia; cidade recebeu 8,5 mil turistas

Organizado pela Prefeitura de Corumbá, por meio da Fundação da Cultura e do Patrimônio Histórico, o Carnaval 2018 injetou R$ 14.037.863,07 na economia local. Desse total, R$ 3,5 milhões foram investidos pelo Poder Público para promover e viabilizar a maior festa popular do Mato Grosso do Sul.

 

Mas a maior parte da movimentação econômica no período, totalizando R$ 10.537.863,07, ficou por parte dos foliões. Os gastos dos turistas e dos moradores locais somaram R$ 9,1 milhões, enquanto os blocos – oficiais e independentes – e escolas de samba aplicaram R$ 1,3 milhão em remuneração de pessoal e aquisições diversas.

 

Levantamento realizado pela prefeitura mostrou ainda 80% das pessoas que visitaram a cidade durante o período gostaram da sua estadia. O estudo mostrou que Corumbá recebeu 8568 turistas, sendo que 63,4% vieram exclusivamente para aproveitar o Carnaval. A maioria é homem (58,2%) e, em média, gastou R$ 138,00 por dia de festa.

 

A maioria dos visitantes (76%) é do próprio Mato Grosso do Sul. Os residentes em Campo Grandes representam 51,8% desse total, mas a cidade também recebeu gente dos estados de São Paulo (11,2%), Mato Grosso (5,2%) entre outros. Entre os estrangeiros, os bolivianos representam 22,8% de todo o fluxo.

 

O levantamento do fluxo turístico e movimentação econômica no Carnaval apontou que 62,8% dos visitantes se hospedaram na casa de amigos ou parentes e 31,1% em hotéis. O meio de transporte mais usado é o carro próprio (79,1%). Os dados mostram uma recuperação da atividade econômica, refletida nos gastos e na confiança dos turistas e residentes. A movimentação econômica é a maior desde 2016.

 

Outro dado relevante é q quantidade de pessoas que vieram para Corumbá pela primeira vez. Esse segmento representou 36,65 dos turistas do Carnaval. Foram realizadas 325 entrevistas com turistas e 368 entrevistas com residentes durante o Carnaval. O intervalo de confiança da pesquisa é de 95%.

Prefeitura adota horário estendido em UBSF para atendimento aos homens

A Unidade Básica de Saúde da Família (UBSF) Nova Lima, na região norte de Campo Grande, estendeu o horário de atendimento, das 17 às 21h, nesta quinta-feira (22), para oferecer consultas com médicos, enfermeiros e outros profissionais para os homens que trabalham durante o dia.

 

Cerca de 50 pacientes foram atendidos e atualizaram a Caderneta de Vacinação, além da avaliação odontológica com os profissionais da unidade. A ideia é ofertar toda penúltima quinta-feira do mês, um horário estendido voltado para a população masculina que muitas vezes não fazem consulta na unidade por falta de tempo.

 

Foi exatamente o que dois pacientes disseram aos profissionais da equipe de odontologia. Um deles afirmou que fazia 15 anos que não procurava atendimento odontológico por falta de tempo e outro garantiu que o último atendimento da especialidade ocorreu há três anos no Programa Saúde na Escola (PSE) quando ele ainda era adolescente.

 

“Percebemos a demanda da população do bairro e levamos a necessidade para avaliação do Conselho Local de Saúde. Executamos o dia de horário estendido que foi muito bem aceito pela população e contou com a colaboração de todos os funcionários da unidade”, explicou a gerente da UBSF Nova Lima, Márcia Barbosa.

 

Foi a primeira vez que o horário estendido foi implantado na unidade para servir como parâmetros nas próximas realizações. Uma fonoaudióloga foi convidada para falar sobre os cuidados que os pacientes devem ter nos locais de trabalho para a manutenção da boa audição.

PMA reforça as ações e número de autuações por caça ilegal aumentou em 75%

Além da pesca predatória, tráfico de animais, desmatamento e queimadas, outro tipo de crime combatido pela Polícia Militar Ambiental (PMA) é a caça ilegal. No ano passado, 35 pessoas foram autuadas por esse tipo de crime, número 75% superior ao registrado em 2016, quando foram feitas 30 autuações. Os valores das multas foram 113,83% maiores em 2017, com relação a 2016 – R$ 116.000,00 em 2017, contra R$ 54.200,00 no ano anterior.

 

Armas e munições apreendidas em uma das fiscalizações em Batayporã.

A PMA explica que os valores podem ser expressivos em relação ao número de ocorrências, porque a multa por animal varia, sendo de R$ 500,00 por animal não constante das listas de espécies brasileiras em extinção e da Convenção sobre Comércio Internacional de Espécies da Flora e da Fauna em Perigo de Extinção (CITIES) e de R$ 5.000,00 para os que estejam em quaisquer dessas listas. Por exemplo: Para um caçador que abateu uma capivara a multa é de R$ 500,00, e para quem matou uma anta é de R$ 5.000,00.

 

O número de autuados também não significa maior quantidade de ocorrências, pois em alguns casos os caçadores estão em grupos e todos são autuados independentemente de terem abatido um único animal durante a caçada. Por exemplo: cinco caçadores em uma única ocorrência de abate de uma anta, a multa aplicada é de R$ 5.000,00 para cada um, e todos respondem pelo crime.

 

Queixada abatido por caçadores ilegais.

A Lei de Crimes Ambientais (Lei Federal nº 9.605/1998) e o Decreto Federal nº 6.514/2008, que regulamentam a parte administrativa da Lei (multas), protege tanto a fauna como o seu subproduto. Ou seja, são as mesmas penalidades para quem abateu uma onça, ou que esteja com um pedaço de couro dela, sem autorização dos órgãos ambientais.

 

A penalidade criminal é de seis meses a um ano e meio de detenção e multa. Além disso, o infrator será multado administrativamente em R$ 500,00 por animal não constante das listas de espécies brasileiras em extinção e da Convenção sobre Comércio Internacional de Espécies da Flora e da Fauna em Perigo de Extinção (CITIES) e de R$ 5.000,00 para os que estejam em quaisquer dessas listas.

Acusado de feminicídio é condenado a 12 anos de prisão em regime fechado

Em sessão do Tribunal do Júri, realizada na quinta-feira (22), presidida pela juíza Camila de Melo Mattioli Gusmão Serra Figueiredo, na comarca de Anaurilândia, o réu S. A. dos S. foi condenado por feminicídio a 12 anos de reclusão, em regime inicial fechado.
O Conselho de Sebntença considerou o réu culpado porque, segundo o processo, no dia 04 de junho 2016, por volta das 20 horas, ele réu matou ,a ex-esposa com golpes de faca, mediante meio que dificultou a defesa da vítima.
Consta dos autos que no dia do crime, durante o chá de bebê da irmã da vítima, o acusado chegou procurando por ela, chamando-a em particular, dizendo que teriam que conversar a sós. Sob tal pretexto, conseguiu ficar sozinho com ela, momento em que começou a agredi-la com uma faca.
Mesmo conseguindo se esquivar de alguns golpes, ele a acertou na barriga e o ferimento causou sua morte. Após isso, o réu fugiu do local.
A materialidade e autoria dos fatos ficaram comprovadas pelos depoimentos das testemunhas e pelo laudo de exame de corpo de delito. Houve indícios suficientes que apontam a ocorrência das qualificadoras, consistentes na utilização de recurso que dificultou a defesa da vítima e de feminicídio.
Em relação às qualificadoras, a denúncia oferecida pelo Ministério Público apontou que o recurso que dificultou a defesa da vítima se deu pelo fato de que ela estava desarmada e teria sido convidada para conversar em particular com o denunciado, enquanto portavauma faca. Da mesma forma, a qualificadora do feminicídio também restou configurada, pois, o acusado era seu ex-marido e o fato ocorreu em virtude de violência doméstica e familiar contra a mulher.
Realizada a votação, o Conselho de Sentença, após reconhecer a materialidade e autoria dos fatos, votou pela condenação do acusado, levando em consideração as qualificadoras elencadas na pronúncia, previstas no 121, §2°, IV e VI combinado com o artigo 121, § 2º- A, I do Código Penal.
Na sentença, a juíza fixou a sentença em 12 anos de reclusão, em regime fechado, porém, tendo em vista que o Conselho de Sentença reconheceu a presença de duas qualificadoras e uma delas foi usada na fixação da pena base, considerou a utilização de meio que dificultou a defesa da vítima como circunstância agravante.
“Concorrendo a circunstância da atenuante da confissão com a agravante do recurso que dificultou a defesa da vítima, verifico que ambas não estão inseridas no art. 67 do Código Penal, contudo, observo que àquela possui natureza subjetiva, enquanto esta possui natureza objetiva, situação que, à luz da posição do STF, conduz na preponderância da atenuante subjetiva sobre a agravante objetiva. No entanto, como a pena base já foi fixada em seu mínimo legal, deixo de reduzi-la, em observância ao contido na Súmula n° 231 do STJ, de modo que fixo a pena intermediária em 12 anos de reclusão”, escreveu a juíza na sentença condenatória.

Saem novas chamadas da Lista de Espera UFMS do SISU – Verão e do Vestibular

Foram postados no site www.concursos.ufms.br os Editais PROGRAD de nº 067/2018 e nº 068/2018 que tornam públicas as convocações para matrículas das terceiras chamadas do Processo Seletivo Vestibular UFMS 2018 e da Lista de Espera da UFMS 2018 do SISU – Verão.

 

As matrículas, que foram iniciadas onte, também serão realizadas  nesta segunda-feira (26) e na terça (27), das 07h30min às 10h30min e das 13h30min às 16h30min, na Secretaria Acadêmica da Unidade onde o curso é oferecido.

 

Conforme os editais, os candidatos convocados para matrícula nas vagas reservadas para pretos ou pardos deverão comparecer no período de 22 a 23 de fevereiro de 2018 no câmpus do curso para o qual foi aprovado, para a banca de avaliação de veracidade da autodeclaração. Os locais das bancas estão indicados nos editais.

MPE apura falta de exames e de plantão médico pediátrico em hospitais de Dourados

O Ministério Público de Mato Grosso do Sul (MPE/MS), pelo ´promotor de Justiça Eteocles Brito Mendonça Dias Júnior, instaurou dois inquéritos civis: um, para apurar as eventuais faltas ou falhas na disponibilidade do exame de densitometria óssea no atendimento médico do Centro de Atendimento à Mulher (CAM), e o outro, para apurar a inexistência de plantão médico pediátrico para atendimento ambulatorial na rede particular de saúde do Município de Dourados.

 

Conforme consta nos autos do IC nº 06.2018.00000423-3, pacientes reclamam da falta do resultado dos exames de densitometria óssea, devido o aparelho utilizado na rede pública não estar funcionando. Em resposta à Promotoria de Justiça, a Secretaria Municipal de Saúde informou que o aparelho responsável por realizar o exame de densitometria óssea estaria quebrado, com pane no software, e que passaria por manutenção corretiva, com previsão de conserto de 30 dias, porém foi constado que o aparelho se encontra com problemas desde junho de 2017.

 

Ainda de acordo com os autos, a agenda para exames está fechada no SISREG, sendo que os pedidos estão sendo devolvidos para a Unidade Básica de Saúde.

 

Já em relação ao inquérito civil nº 06.2018.00000557-6, que apura a inexistência de plantão médico pediátrico na rede particular de saúde do Município, foi constatado pela 10ª Promotoria de Justiça que o Hospital Santa Rita tem, por diversos fatores, muita dificuldade em compor uma escala de plantão pediátrico para atendimento ambulatorial nas 24 horas do dia.

 

Em retorno, a 10ª Promotoria de Justiça, o Hospital Evangélico de Dourados e o Hospital Cassems Dourados deram respostas consideradas inconclusivas sobre a existência de plantão pediátrico para atendimento ambulatorial na rede particular de saúde.

 

A 1ª Promotoria de Justiça notificou os representantes legais do Hospital Santa Rita, Hospital do Coração, Hospital Evangélico de Dourados e Hospital Cassems Dourados, assim como os representantes legais dos planos de saúde Unimed Dourados, São Francisco, Cassems, Amil, Bradesco Saúde, dando lhes ciência acerca da instauração do Inquérito Civil, para que, no prazo de 10 dias úteis, apresentem as manifestações que entender pertinentes.

Demonstrativo de rendimentos 2017 dos aposentados já está disponível no site do INSS

O Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) divulgou hoje no site o demonstrativo de rendimentos de 2017 dos aposentados e pensionistas obrigados a apresentar a declaração do Imposto de Renda à Receita Federal.

 

Para consultar o extrato, o segurado deve acessar o site do INSS e consultar o Extrato de Imposto de Renda (IR) no menu de serviços da Central “Meu INSS”, com login e senha.

 

Para fazer o cadastro no Meu INSS, são necessários o CPF, nome completo, data e local de nascimento e nome da mãe para gerar um código de acesso provisório. Depois, o segurado deve fazer login, com a senha provisória.

 

Logo em seguida, aparecerá mensagem para que o cidadão crie sua própria senha. A senha deve conter números e letras, além de um caractere especial, como “#@$%!*-/+”. Pelo menos uma letra deve ser maiúscula e outra minúscula.

 

Também no site é possível consultar o demonstrativo de anos anteriores. Em caso de dúvidas, o cidadão pode ligar para a Central 135. Brasileiros no exterior também conseguem acessar o Meu INSS.

 

De acordo com o INSS, o demonstrativo do ano base 2017 pode ser retirado nas agências de Previdência Social (APS). O órgão recomenda, no entanto, “para mais conforto ao cidadão”, que a impressão seja feita na internet ou nos terminais de autoatendimento dos bancos.

 

O programa para preenchimento da declaração do Imposto de Renda 2018 será disponibilizado pela Receita Federal nesta última semana de fevereiro e o prazo de entrega terá início no começo de março. Cerca de 40 milhões de brasileiros devem declarar o Imposto de Renda este ano.

 

Fonte: Agência Brasil

Reinaldo Azambuja anuncia ajuda emergencial para os desabrigados pela chuva em Aquidauana

Depois de sobrevoar Aquidauana e verificar a situação dos estragos com a cheia do rio que leva o mesmo nome da cidade, Reinaldo Azambuja anunciou ajuda emergencial do Governo do Estado, com a liberação de recursos do Fundo da Saúde, que permite a liberação direta para o Fundo Municipal da Saúde. Deverão ser liberados R$ 500 mil para Aquidauana e R$ 300 mil para Anastácio. “São recursos que poderão ser usados na compra de medicamentos e na ajuda emergencial às famílias desabrigadas”, afirmou.

 

Governador Reinaldo Azambuja, na passadeira construída pelo Exército, caminha em direção aos desabrigados (Foto: Edemir Rodrigues)

“Num primeiro momento vamos cuidar do acolhimento, da proteção e ajuda aos desabrigados e o segundo passo é a reconstrução dos estragos, e isso será feito quando a água abaixar e aí temos condições de verificar melhor o que precisa ser feito. Nesse momento, orientei a Defesa Civil Estadual a auxiliar as famílias no que for possível, com colchões, vestuário”, disse Reinaldo Azambuja.

 

O governador lembrou que municípios do Cone-Sul que também tiveram problemas com as chuvas desde o fim do ano passado já estão sendo atendidos pela administração estadual, e que esse trabalho será feito agora com as cidades da região Sudoeste que foram castigadas com a chuva do início da semana, como Aquidauana, Anastácio, Miranda, Jardim, Bonito, Guia Lopes. Para que o auxílio seja feito com rapidez, o governador Reinaldo Azambuja disse que a Defesa Civil do Estado e dos municípios vão elaborar com urgência os decretos de emergência “para que o Governo possa agilizar o atendimento”.

 

No município de Aquidauana, 153 pessoas estão alojadas em três abrigos (Foto: Edemir Rodrigues)

Em Aquidauana 50 famílias (153 pessoas) estão alojadas em três abrigos. A preocupação de Reinaldo Azambuja é em atender os desabrigados, como a atendente Cristiane de Oliveira Faustino, de 42 anos. “A água subiu muito rápido na terça-feira. Cheguei em casa 17:45 e já tirei minha filha que tem 21 anos e é especial, conseguimos salvar alguns móveis, mas só. Em uma hora a água subiu rápido e o Exército tirou a gente”. A mulher mora com dois filhos (25 e 21 anos) numa casa a poucos metros da ponte nova de Aquidauana.

 

Cristiane Faustino 

Hoje pela manhã ela pediu dispensa do trabalho para ir verificar a situação da casa.Não conseguiu entrar no imóvel, pois ainda estava tomada pela água. A orientação da Defesa Civil é que as pessoas esperem pelo menos uma semana para retornar às casas, pois o poder público ainda vai higienizar os imóveis. Cristiane e os filhos estão em casa de parentes.

 

“Foi muito rápido e assustador. Nunca passei por isso porque a última cheia assim foi em 1990 e eu não era nascida. Na minha casa só estava minha mãe e meu padrasto, que é cadeirante. Todo o resto estava no trabalho. Por isso não conseguimos salvar nada além de mudas de roupas. Perdemos tudo de móveis e eletroeletrônicos”, contou Yvy Stefany Alves Góis, 23 anos, vendedora. Ela mora com o filho, a mãe, o padrasto, o cunhado e o sobrinho. “Agora vamos trabalhar para conquistar tudo de novo”, disse.

 

Yvy Góis e o filho são o retrato das 53 famílias que perderam tudo

O número de famílias afetadas pela cheia poderia ter sido maior, se não fosse a ação do Governo do Estado, por meio da Agência Estadual de Habitação (Agehab), em parceria com a prefeitura de Aquidauana. No ano passado, várias famílias ribeirinhas ganharam a casa própria e deixaram a área de risco. “Mas é importante que sejam adotadas medidas para evitar que as famílias atendidas com a entrega das casas não voltem a morar na beira do rio”, alertou o governador.

 

Reinaldo Azambuja lembrou que outra obra importante que, além de fomentar o turismo na região servirá como rota alternativa para chegar ou sair de Aquidauana é a rodovia que liga Camisão, Piraputanga e Palmeiras. “Sobrevoando a rodovia vimos que ali só há um ponto de alagamento, que será resolvido com o trabalho de engenharia”, pontuou. Essa rodovia, que dá acesso à BR-262, está sendo pavimentada pelo Governo do Estado e deverá ficar pronta até o final do ano.

 

Reinaldo Azambuja e o coordenador da Defesa Civil de MS, Isaías Bittencourt, ajudaram na distribuição das cestas básicas

 

Além disso, o governador adiantou que junto com o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT) está viabilizando o asfaltamento da BR-419, que liga Aquidauana a Rio Verde.

 

Isolados, muitos animais também estão desabrigados

Em Aquidauana, Reinaldo Azambuja lembrou que no final de 2015 a sua administração auxiliou os municípios castigados pela chuva e com planejamento nos dois anos seguintes foram executadas várias obras importantes para os municípios. “Naquela época tínhamos uma situação de caos, estradas interrompidas, pontes caídas. Hoje temos mais de 50 pontes de concreto construídos nessas localidades. Se não fosse a atuação do Governo do Estado nas obras de restauração nesses municípios talvez teríamos hoje um problema maior”, finalizou.

 

Na visita aos locais afetados pela chuva e nos abrigos, Reinaldo Azambuja esteve acompanhado do prefeito de Aquidauana Odilon Ribeiro, prefeitos dos municípios da região, deputados estaduais Felipe Orro, Beto Pereira, Enelvo Felini e Mara Caseiro, e o secretário estadual Marcelo Miglioli (Infraestrutura). Também acompanharam o governador militares do Exército, que estão trabalhando no atendimento aos moradores da cidade e aos desabrigados, integrantes e integrantes da Defesa Civil estadual e municipal.