Comércio de Campo Grande começa a contratação de trabalhadores temporários, segundo sindicato

O comércio de Campo Grande já começou a contratação de trabalhadores temporários para reforçar as vendas de final de ano. De acordo com informações do Sindicato dos Empregados no Comércio da Capital (SECCG), até dezembro deverão ser contratados entre 1.700 a 2.400 trabalhadores, que correspondem de 5% a 7% dos 35 mil comerciários da cidade.

 

“Temos uma expectativa muito grande do retorno do aquecimento comércio da cidade, nesta fase em que a pandemia parece estar chegando ao fim”, afirma o presidente do sindicato, Carlos Sérgio dos Santos. A entidade tem feito um minucioso estudo do mercado e observado um crescimento significativo também na indústria da construção civil. “Este é um mercado importante para a retomada da economia, pois se ele se aquece, automaticamente em outros setores ocorre o mesmo”, explica o líder sindical.

 

O único setor do comércio que ainda não “engrenou”, segundo Carlos Sérgio, é o automotivo. Entretanto, ele acredita que esse setor também será aquecido brevemente.

 

A diretoria do Sindicato dos Comerciários está otimista com a expectativa de contratação de 1.700 a 2.400 comerciários porque será uma grande oportunidade para muitas famílias de trabalhadores desempregados terem uma boa remuneração no final do ano para ter melhor condições de vida nos festejos de final de ano.

 

Carlos Sérgio lembrou que o número de comerciários em Campo Grande, até antes da crise econômica que assolou o país, era de 52 mil trabalhadores. E com a pandemia foi reduzido para cerca de 35 mil. “Não temos dúvida de que a cidade vai voltar a crescer e não só recuperar os empregos perdidos como também abrir novas oportunidades de trabalho em todas as áreas”, comentou o presidente do SECCG.

Destaques

Política

Conselho de Ético: Ato da Mesa não permite reunião

O presidente do Conselho de Ética e Decoro Parlamentar, senador Jayme Campos (DEM-MT), informou que ainda espera uma posição da Comissão Diretora sobre uma possível revogação da Ato da Mesa Diretora 7, de 2020, que impede as reuniões presenciais no Senado durante o período da pandemia.   — É fundamental essa revogação. Não tenho autoridade […]