17 de novembro, Dia Mundial da Prematuridade: Na Santa Casa, 476 bebês nasceram em 2019 antes do tempo

A gravidez, o trabalho de parto, a correria para o hospital e ver o bebê nascer em boas condições e depois ir embora com ele nos braços é o desejo de todas as gestantes. Porém, infelizmente, nem sempre é isso o que acontece. Na Santa Casa de Campo Grande de janeiro a setembro deste ano 476 partos aconteceram antes da 37 semana de gestação, prolongando o tempo de internação dos bebês no hospital. No Brasil, de acordo com o Ministério da Saúde, aproximadamente 10% dos bebês nascem antes do tempo.

 

Em 17 de novembro foi intitulado o Dia Mundial da Prematuridade para chamar a atenção da sociedade sobre este assunto tão importante. Como forma de conscientizar as mães, familiares e o público em geral a gerência de eventos do hospital em parceria com o serviço de neonatologia realizará na próxima quinta-feira (28) o evento “Dia da Prematuridade”, um ciclo de palestras organizado para esclarecer dúvidas e promover discussão sobre o tema.

 

Conforme os indicadores internos do hospital, em 2019 foram feitos 2.540 partos entre cesárias e normais e, destes, 476 foram de bebês prematuros. O médico pediatra e chefe dos setores neonatais da Santa Casa, Dr. Walter Peres, apresenta alguns pontos que são importantes para o entendimento do assunto.

 

Parto prematuro

 

Vários fatores podem propiciar o parto prematuro dentre eles a falta ou a deficiência no pré-natal correto, patologias maternas, principalmente por infecções congênitas, diabetes, doenças hipertensivas e até mesmo gestação gemelar, porém todos esses fatores podem ser minimizados com um pré-natal adequado e desde o início da gestação.

 

O bebê prematuro

 

Parto prematuro é aquele que ocorre antes de 37 semanas de idade gestacional. Existem várias possibilidades de complicações ao bebê como doença pulmonar (por deficiência de surfactante ou displasia broncopulmonar), ocular (retinopatia da prematuridade), auditivo (surdez), cardíaca (persistência do canal arterial), cerebral (como hemorragia peri-intraventricular, leucomalacea periventricular) podendo levar a distúrbios no desenvolvimento neuropsicomotor a longo prazo, déficit de crescimento (levando a baixa estatura), entre outras complicações possíveis. Em relação ao peso de nascimento, são considerados os bebês com menos de 2,5 kg como baixo peso, muito baixo peso os com menos de 1,5kg e extremo baixo peso aqueles com peso menor que 1kg.

 

 

Vínculo materno

 

A importância do vínculo se dá desde o nascimento do bebê ainda na sala de parto e depois passando pelos setores neonatais como a UTI Neonatal e a Unidade Intermediária. Tudo começa com o contato visual e depois o toque, evoluindo para o contato pele a pele através do Método Canguru e com a presença da família durante toda internação do bebê, acompanhando as etapas de seu tratamento. Este vínculo com os pais é fundamental para a redução do tempo de internação e proporciona excelentes benefícios aos prematuros como redução da chance de infecção, melhora do ganho ponderal, maiores taxas de sucesso na amamentação, melhor desenvolvimento neurológico e maiores escores de inteligência e maior vínculo com a família reduzindo a chance de maus-tratos e violência.

 

Os bebês que nascem no centro obstétrico da Santa Casa passam por avaliação do grau de prematuridade e, conforme a gravidade, são transferidos ou para a Unidade Intermediária ou para a UTI Neonatal. Durante sua internação eles são cuidados por uma equipe multiprofissional especialista no cuidado neonatal sendo estabilizado clinicamente, recebendo tratamento para qualquer condição clínica que apresente, alimentação parenteral em alguns casos ou enteral (leite) por sonda e, conforme o ganho de peso e mais “maduro”, começa a aprender a sugar em sua mãe, desmamando da sonda e indo para casa mamando exclusivamente no seio.

 

 

Foto da semana – Aquário Natural – Baía Bonita (Bonito)

site http://www.aquarionatural.com.br