Pavimentação da Rodovia do Turismo avança e primeiro trecho será concluído em julho, anuncia o Governo do Estado

Com acesso a balneários banhados pelo Rio Formoso, propriedades rurais e também a bairros que estão em expansão com a chegada de infraestrutura, a Rodovia do Turismo começa a ser pavimentada pelo Governo do Estado, atendendo a uma reivindicação antiga das lideranças políticas, do trade turístico e da população de Bonito. A primeira etapa da obra, totalizando 2,3 quilômetros, será concluída no final do mês de julho.

 

O projeto inclui mais 8,9 quilômetros da estrada vicinal, até a ponte da Poliana, já em processo de licitação. Nesta primeira fase, estão sendo aplicados recursos próprios do Estado, (Fundersul) no valor de R$ 2,5 milhões, compreendendo o trecho entre o Hospital Darci João Bigaton (MS-178) e a Ponte do Matheus (Córrego Bonito), incluindo a Avenida Matheus Muller. Foram implantados ainda 1,5 quilômetro de rede de drenagem de águas pluviais.

A pavimentação da Rodovia do Turismo, por onde passam mais de 200 mil turistas ao ano, faz parte de um pacote de obras já entregues e em execução pelo Governo Presente e Municipalista, visando ampliar a infraestrutura de Bonito para garantir qualidade de vida à população e facilitar o acesso dos visitantes a um dos principais destinos mundiais de ecoturismo. O asfalto garantirá, ainda, segurança e eliminará poeira e atoleiros.

 

Segurança e competitividade

 

“Cartão postal e referência no ecoturismo mundial, Bonito recebe uma atenção especial desde o início do nosso governo, dentro de um projeto de integração dos destinos turístico”, afirma o governador Reinaldo Azambuja. “A MS-178, por exemplo, foi toda pavimentada, interligando os municípios de Jardim, Bonito e Bodoquena. Estamos avançando na vacinação e precisamos estar preparados para a retomada do nosso turismo, de forma segura.”

 

Para o prefeito de Bonito, Josmail Rodrigues, a pavimentação da Rodovia do Turismo é um presente para a cidade, acentuando que o município tem recebido inúmeros benefícios do Governo do Estado em todas as áreas e, em especial, no setor de logística, fundamental para movimentar o turismo e escoamento da produção agrícola, em expansão. “O governador Reinaldo Azambuja tem olhado com carinho para a nossa região”, disse.

 

Ao destacar que o governo atual é o que mais investe em infraestrutura para atender os destinos turísticos de Mato Grosso do Sul, o diretor-presidente da Fundação de Turismo de MS (Fundtur), Bruno Wendling, realça que garantir acesso é essencial para desenvolver o setor e torna-lo mais competitivo. “A pavimentação da Rodovia do Turismo contempla alguns dos melhores passeios de Bonito e fortalece o destino, fundamental nessa retomada”, aponta.

 

Mais asfalto e recapeamento

 

O pacote de obras de infraestrutura do Governo do Estado em Bonito e região ainda inclui o asfaltamento de 100 quilômetros a rodovia MS-345, entre a cidade e Anastácio – conhecida como “Estrada do 21” -, cuja licitação de dois lotes teve início no dia 15 de junho. O investimento vai reduzir em 80 quilômetros a distância entre Bonito e Campo Grande. A MS-345 integra o distrito de Águas de Miranda, importante polo de pesca esportiva.

 

Outra obra rodoviária de grande relevância é o recapeamento de 52 quilômetros da MS-382, entre Bonito e Guia Lopes da Laguna/Jardim, com investimentos de R$ 50,2 milhões. A Agesul (Agência Estadual de Gestão de Empreendimentos) assinou os contratos de dois lotes e deverá autorizar início da obra na primeira semana de julho.  A rodovia é considerada a principal via de acesso a Capital do Ecoturismo, a partir de Campo Grande.

Obra muda cenário urbano

 

“Acreditamos que o desenvolvimento de Mato Grosso do Sul acontece a partir dos investimentos nas cidades em infraestrutura. Por isso, o Estado segue parceiro com os municípios, destinando recursos para todos os setores. As obras em rodovias ajudam no turismo e no escoamento de grãos”, afirma o secretário de Infraestrutura, Eduardo Riedel, citando o asfaltamento da Rodovia do Turismo como estratégico.

 

Essa obra tem prazo para ser concluída em 30 de julho, conforme garante o engenheiro Milton Marin Rodrigues, dono da empreiteira Rainha Construtora, melhorando o acesso numa via de intenso tráfego. Em parceria com a prefeitura, o Governo do Estado tem auxiliado na manutenção da estrada – que foi alargada em dois metros para atender a demanda do turismo e da produção, incluindo a bacia leiteira – e das pontes de madeira.

 

Na semana passada, a empreiteira deu início à pavimentação do trecho, começando pela Avenida Mateus Muller, na área urbana da cidade. A pista dupla terá largura de 10 metros, enquanto a pista simples, oito metros. O total de pavimentação em CBUQ é estimado em 14.150 metros quadrados. A presença do Governo do Estado já muda o cenário urbanístico local, com dezenas de imóveis em construção e valorização imobiliária.

‘Eliminar o trabalho infantil, um compromisso de todos’ é tema on-line da Superintendência da Política de Assistência Social

A Secretaria de Estado de Direitos Humanos, Assistência Social e Trabalho (Sedhast), por meio da Superintendência da Política de Assistência Social (Supas), realiza nesta terça-feira (22), a partir das 14h30, o webnário ‘Eliminar o trabalho infantil, um compromisso de todos’. O evento recebe inscrições pelo endereço ww2.cursos.escolagov.ms.gov.br/EscolaSuas.

 

Conforme informações da Supas, o evento tem como objetivo informar, discutir, sensibilizar sobre o trabalho infantil, além de advertir para o risco de aumento dessa grave violação de direitos de crianças e adolescentes trabalhadores, como também de famílias vulnerabilizadas, sobretudo em tempo de pandemia, além de enfatizar o aprimoramento de medidas de prevenção e de combate ao trabalho infantil em Mato Grosso do Sul. A ação também é uma referência ao dia 12 de junho, ‘Dia Mundial de Combate ao Trabalho Infantil’.

 

A Sedhast orienta o enfrentamento ao trabalho infantil em todos os 79 municípios do Estado, tendo como princípios as legislações vigentes, acolhendo também os demais princípios das convenções e recomendações da Organização Internacional do Trabalho (OIT). Dessa forma, as ações de prevenção e erradicação do trabalho infantil nos municípios estão sendo desenvolvidas em consonância com a Política Nacional de Assistência Social (PNAS).

 

Ainda conforme informações da superintendência, a responsabilidade de eliminar o trabalho infantil é de governos e da sociedade civil, nessa perspectiva a Sedhast busca alcançar essa meta através da mobilização da sociedade para a relevância do ano de 2021, declarado pela Organização das Nações Unidas (ONU) como o Ano Internacional para a Eliminação do Trabalho Infantil.

 

O principal propósito do ano internacional é convocar os governos e a sociedade para fazerem parte dessa ação global para acabar com todas as formas de trabalho infantil até 2025, meta 8.7 dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), compromisso assumido pelo estado brasileiro como signatário deste documento, como marco simbólico de chamamento para essa reflexão.

 

Clique aqui e confira a programação e o link de transmissão do evento: PROGRAMAÇÃO WEBINÁRIO PETI (1)

Distribuição de cobertores para famílias carentes de Mato Grosso do Sul coincide com chegada do inverno

A entrega dos 80 mil cobertores realizada na quinta-feira (17) pelo Governo de Mato Grosso do Sul antecede a chegada do inverno na próxima segunda-feira, 21 de junho.

 

Além das baixas temperaturas, o inverno caracteriza-se também pelos dias mais curtos e noites mais longas. Nesse período, não há nada melhor do que ficar em casa, evitando entrar em contato com pessoas de fora do ambiente familiar, neste momento de pandemia.

 

Entre as famílias que receberam cobertas está a de Leirilane Silva Rojas, de 27 anos,  mãe de Christian, 11 anos, Jorge Miguel, 7 anos, e Vinícius Guilherme, 4 anos. Ela também é atendida pelos projetos sociais do programa Rede Solidária, no Jardim Noroeste. “Assim como os cursos do Rede Solidária que já fiz, como de panificação, e costura que estou fazendo agora, as aulas que os meninos fazem lá, e agora o cobertor é uma ajuda bem-vinda”, contou Leirilane.

 

Os novos cobertores vão para os 79 municípios do Estado. Desde o início da atual gestão, Mato Grosso do Sul já entregou 410 mil mantas. “As peças vão atender indígenas, assentados e comunidades do Estado com famílias mais vulneráveis. É mais uma ação do Estado atendendo as demandas da população, em parceria com as cidades sul-mato-grossenses”, disse o governador Reinaldo Azambuja.

 

Todos os anos, a campanha “Aqueça uma Vida” entrega as cobertas para as prefeituras, que fazem a distribuição em cada um dos municípios. Na segunda-feira (21), a secretária Elisa Cleia Nobre (Direitos Humanos, Assistência Social e Trabalho) acompanha a entrega em Terenos.

 

“O Governo do Estado, por meio da Secretaria de Estado de, em conjunto com outras pastas, vem olhando com muito carinho e atenção para cada família de Mato Grosso do Sul, principalmente neste período de pandemia. São um conjunto de ações, que no final, acabam dando mais segurança para quem vive aqui”, explicou a secretária.

 

Os novos cobertores foram adquiridos com recursos do Fundo de Investimento Social (FIS),  em um investimento de R$ 2,67 milhões. O cobertor é do tipo casal, sendo o material de manta em microfibra, 100% poliéster, com medida mínima de 1,80 x 2,20 metros.

 

O prefeito de Terenos, Henrique Wancura Budke, disse que os 315 cobertores que foram destinados ao município chegaram em boa hora. “Só tenho a agradecer ao governador Reinaldo Azambuja e a secretária Elisa por mais um ano nos atendendo e possibilitando esse atendimento às famílias mais carentes de Terenos”, disse.

 

Além dos cobertores comprados e entregues pelo Governo, o Estado também arrecada agasalhos e cobertores, todos os anos, entre os servidores e distribui para quem mais precisa. A madrinha da campanha é a primeira-dama Fátima Azambuja, que percebeu um aumento nas doações. “Acho que essa questão da pandemia ampliou o sentimento de solidariedade. Quero agradecer muito ao Governo do Estado e todos os servidores que participam. Tenho certeza que este ano vamos chegar a um número maior de famílias atendidas”, disse.

MPF aponta risco de desaparecimento de espécies no Rio Paraná e quer R$ 5 mi de indenização à concessionária chinesa

O Ministério Público Federal (MPF) ajuizou ação civil pública contra a empresa Rio Paraná Energia, concessionária das Usinas Hidrelétricas de Jupiá e Ilha Solteira, na divisa de Mato Grosso do Sul e São Paulo. O MPF pede pagamento de R$ 5 milhões de indenização por danos morais coletivos, pela queda na população de peixes dos reservatórios e suas consequências para o ambiente e a população da região. O MPF pede ainda indenização por danos materiais e a reparação do dano ambiental causado pela empresa.

 

Desde que assumiu a concessão das usinas, em 2016, a Rio Paraná Energia tem obrigação contratual de elaborar um programa de manejo pesqueiro e de conservação da população de peixes no Rio Paraná, além do monitoramento da produção e estocagem de alevinos em reservatórios.

 

A investigação revelou que, ainda em 2016, a empresa encerrou as atividades da Estação de Hidrobiologia e Aquicultura de Jupiá, que realizava a criação e reposição de peixes nos reservatórios das usinas. Com isso, a partir de 2017, diminuiu ou interrompeu completamente a reposição das espécies Pintado, Jaú, Jurupoca, Dourado e Piracanjuba no Rio Paraná.

 

A consequência é a queda acentuada da população destes peixes nos reservatórios no Rio Paraná, afetando diretamente milhares de pessoas que vivem no entorno e dependem economicamente do rio.

 

Na ação, o MPF cita que “essa comunidade tradicional vive da pesca e dos frutos gerados pelo rio Paraná, a queda na soltura de alevinos cria a angústia, o temor coletivo de perda do próprio meio de vida e consequente aniquilamento da comunidade. Com a não reposição dos peixes, passa a ser incerto o presente e o futuro da atividade de pesca artesanal e vida ribeirinha”.

 

Parecer elaborado pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) detalha que, entre 2017 e 2019, não houve qualquer reposição de alevinos das espécies pintado, jaú e jurupoca nos lagos das Usinas Jupiá e Ilha Solteira. A empresa também não promoveu a liberação de alevinos das espécies dourado e piracanjuba em 2018 e 2019.

 

Na tabela abaixo, fornecida pela própria Rio Paraná, comprova-se a queda vertiginosa na soltura de algumas espécies, comparada com a concessionária anterior, Centrais Elétricas de São Paulo (CESP)

 

Pedidos

 

 O MPF pede que seja determinado liminarmente à Rio Paraná Energia que apresente, em três meses, planejamento operacional para o cumprimento integral das obrigações contratuais, sob pena de multa diária no valor de R$ 50.000,00. O cumprimento da liminar deve ser comprovado à Justiça.

 

No mérito da ação, pede-se a condenação da Rio Paraná Energia ao cumprimento da condicionante específica ambiental 2.1 da LO 1251/2014, de elaborar um programa de manejo pesqueiro e de conservação da população de peixes no Rio Paraná, além do monitoramento da produção e estocagem de alevinos em reservatórios.

 

O MPF pede ainda pagamento de indenização por danos materiais pelo não cumprimento da condicionante ambiental citada, a partir de 2017 até a data da sentença, em valor a ser definido, e que o valor seja destinado às comunidades diretamente afetadas.

 

Por fim, a condenação da Rio Paraná ao pagamento de R$ 5 milhões por danos morais coletivos, e que o valor seja destinado às comunidades diretamente afetadas.

Caminhão que seguia para São Paulo com três toneladas de maconha foi apreendido pelo DOF durante a Operação Hórus

Policiais do Departamento de Operações de Fronteira (DOF) apreenderam, ontem (19), um caminhão baú Mercedes-Benz de cor azul carregado com grande quantidade de volumes prensados de maconha, com peso total de três toneladas.

 

A ação ocorreu em virtude da Operação Hórus, parceria da Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública com o Ministério da Justiça e Segurança Pública, durante um bloqueio policial para fiscalização na rodovia MS-289, no município de Amambai.

 

Os militares abordaram o condutor (38) e o passageiro (27), que se deslocavam no sentido Coronel Sapucaia/Amambai. O caminhão, aparentemente utilizado para o transporte de mudança, estava carregado com móveis usados.

 

 

Durante a vistoria no compartimento de carga localizou-se um fundo falso onde estava a droga. O dois homens disseram que vieram no caminhão, de São Paulo, até a cidade de Coronel Sapucaia, onde entregaram o veículo para ser carregado com o entorpecente, que teria como destino o Estado de São Paulo, não sabendo informar a cidade.

 

A ocorrência foi registrada e entregue na Delegacia da Polícia Civil de Amambai, onde os homens permaneceram à disposição da Polícia Judiciária.

Prefeitura de Campo Grande abre vacinação para pessoas com 46 anos e segue aplicação da 2ª dose da Coronavac

Neste domingo, dia 20 de junho, a Prefeitura de Campo Grande ampliaa vacinação contra a Covid-19 para pessoas com 46 anos ou mais e dar continuidade à aplicação da segunda dose de Coronavac-Sinovac-Butantan para pessoas que se vacinaram até o dia 2 de junho. O atendimento será exclusivo para estes dois públicos.

 

O município retomou a vacinação contra a Covid-19 na sexta-feira, dia 18 de junho, após cinco dias de paralisação devido a indisponibilidade de doses. Campo Grande recebeu aproximadamente 23 mil doses de vacinas na última remessa enviada pelo Ministério da Saúde para atendimento da população, sendo 11 mil da Pfizer e 12 mil da Coronavac.

 

Somente neste sábado, dia 19 de junho, foram 9.696 pessoas vacinadas. Do dia 19 de janeiro até hoje, 350.570 pessoas foram vacinadas com a primeira dose, o que representa 38.69% de toda a população campo0-grandense. Destas, 138.821 já receberam a segunda dose. Ao todo, foram aplicadas 489.391 doses em Campo Grande.

 

Desconto em viagens na parceria com a UBER

 

A Prefeitura de Campo Grande e a Uber fecharam parceria de R$ 100 mil em descontos para viagens na Capital. Os códigos promocionais serão distribuídos com objetivo exclusivo de facilitar o deslocamento até os postos de vacinação contra Covid-19.

 

Os códigos promocionais garantirão viagens gratuitas de ida e volta aos locais de vacinação, no valor máximo de R$ 25. O código precisa ser adicionado no aplicativo da Uber antes das viagens.

 

Veja como ativar o código de desconto:

 

1. Abra o aplicativo e selecione o menu (três linhas verticais no canto superior esquerdo)

2. Entrar no item “Wallet” ou “Pagamento” e rolar até a parte de baixo

3. Em “Promoções”, selecionar a opção “Adicionar código promocional” (Não vai funcionar como “voucher”)

4. Digite o código VACINACG

5. O código funcionará das 7h da manhã até as 18h.

 

Onde se vacinar?

Drive-thru Ayrton Senna
8h às 17h

Drive-thru Albano Franco
8h às 17h

Drive-thru Cassems
8h às 17h

Guanandizão
8h às 17h

IMPCG
8h às 17h

Solidariedade: cobertores de campanha do Governo do Estado estão sendo entregues aos lares de famílias de Campo Grande

A poucos dias da chegada oficial do inverno, o Governo do Estado deu início a entrega dos primeiros cobertores de 80 mil comprados com recursos estaduais para serem entregues às famílias sul-mato-grossenses em situação de vulnerabilidade.

 

Duas famílias residentes no Jardim Noroeste, que participam do Programa Rede Solidária, foram as primeiras a receber os cobertores da ação realizada ontem (17)  em Campo Grande e que deve se repetir nos próximos dias nos 79 municípios do Estado.

 

Mãe de Eduardo de 12 e Fernanda de 9 anos, a autônoma Jéssica Tatiane de Souza (foto capa), apontou as ações sociais desenvolvidas pelo Governo como fundamentais para as famílias carentes. “É gratificante né? Às vezes a gente não tem nenhum dinheiro para comprar e isso ajuda bastante a gente. Que o governador Reinaldo possa continuar com esses projetos, não só ele, mas quem ajuda ele. Que ele continue ajudando e levando isso para outras regiões como o Jardim Noroeste. E esse cobertor vai ajudar bastante, principalmente o Eduardo que ama uma coberta”, afirma.

 

Aos 27 anos, Leirilane Silva Rojas é mãe de Christian, 11 anos, Jorge Miguel, 7 anos, e Vinícius Guilherme, 4 anos. Ao receber o cobertor, ela destacou a importância das ações desenvolvidas pelo Governo do Estado para ajudar famílias como a dela.

 

“Assim como os cursos do Rede Solidária que já fiz, como de panificação, e costura que estou fazendo agora, as aulas que os meninos fazem lá, e agora o cobertor é uma ajuda bem-vinda. Agradeço ao governador e a todas as pessoas que ajudam os que precisam”.

 

As entregas realizadas em visita a essas famílias pela secretária de Direitos Humanos, Assistência Social e Trabalho, Elisa Cleia Nobre, marcam o início da distribuição dos cobertores adquiridos pelo Governo do Estado que serão destinados à população pelos gestores municipais.

 

 

“Como gestora isso é gratificante. Não é só a parte administrativa que interessa pra gente, mas especialmente essa parte de contato com as famílias, em que a gente vê esse resultado diretamente na vida das famílias. Então, quando você entrega um benefício social, quando entrega um cobertor, você sabe que isso está impactando diretamente nas famílias que precisam. Isso enche nosso coração de alegria, dá um senso de dever cumprido de saber que aquilo que você trabalha dentro de uma sala está se materializando na vida das pessoas por meio dessas entregas”, destaca.

 

Realizada anualmente pelo Governo do Estado, a entrega faz parte da campanha Aqueça uma Vida, que com a ação de 2021 passa a contabilizar 410 mil cobertores entregues para a população carente do Estado. Devido ao cenário de pandemia, desde o ano passado a distribuição aos municípios segue todos os protocolos de segurança e de prevenção ao contágio pela Covid-19.

 

O governador Reinaldo Azambuja acompanhou de perto o início da distribuição dos cobertores aos municípios ontem (17). “Começamos a entrega dos cobertores aos 79 municípios de Mato Grosso do Sul. São peças que vão atender indígenas , assentados e comunidades do Estado com famílias mais vulneráveis.  É mais uma ação do Estado atendendo as demandas da população, em parceria com as cidades sul-mato-grossenses”, ressaltou.

 

Com recursos do Fundo de Investimento Social (FIS), foram 80 mil unidades adquiridas, totalizando um investimento de R$ 2.671.200,00. Cada unidade saiu por R$ 33,39, entregues pela empresa Altomax comércio de meias e cobertores, importação e exportação Eireli. O cobertor é do tipo casal, sendo o material de manta em microfibra, 100% poliéster, com medida mínima de 1,80 x 2,20 e gramatura mínima 190 g.

 

De acordo com a Sedhast, a distribuição entre os municípios segue os seguintes critérios: é proporcional ao número de famílias em situação de vulnerabilidade social, de extrema pobreza, de acordo com Cadastro Único (CadÚnico); distribuição por porte do município; e presença de população indígena no território conforme dados do IBGE 2010 e o Distrito Sanitário Especial Indígena de Mato Grosso do Sul, considerando também o porte municipal. A partilha foi deliberada pelo Conselho Estadual de Assistência Social de MS (CEAS) e pactuada na Comissão Intergestores Bipartite da Assistência Social de MS (CIB).

Secretaria de Estado de Saúde anuncia nova diretoria do Hospital Regional de Mato Grosso do Sul

O Governo do Estado, por meio da Secretaria de Estado de Saúde (SES), definiu os novos nomes para a direção do Hospital Regional de Mato Grosso do Sul, após a diretora-presidente do HRMS, Rosana Leite de Melo, deixar o comando para assumir cargo no Ministério da Saúde. Os escolhidos são os médicos Lívio Viana de Oliveira Leite e Marielle Alves Correa Esgalha, que já ocupava a direção de Atenção à Saúde na SES.

 

Segundo o secretário de Estado de Saúde, Geraldo Resende, o ex-vereador por Campo Grande e médico oftalmologista, Lívio Viana de Oliveira Leite, assume a direção do Hospital Regional de Mato Grosso do Sul. Já a médica cirurgiã plástica Marielle Alves Correa Esgalha assume a assessoria especial no HRMS.

 

“O doutor Lívio Viana Leite já foi ex-secretário-adjunto da SES, possui bom trânsito com as entidades médicas e instituições de saúde de Campo Grande. A doutora Marielle Esgalha é a nossa diretora de Atenção à Saúde da SES, servidora do HRMS, conhece profundamente toda a estrutura e o funcionamento daquele hospital”, detalha Resende.

 

Geraldo aponta que eles terão a incumbência de ajudar o Estado neste momento de dificuldade em razão da Covid-19. “Irão contribuir, colocando seus conhecimentos para que nós possamos vencer o Coronavírus. Será mais um momento que ficará escrito na história e tenho certeza que seremos referência para o país no enfretamento desta pandemia”.

 

Agradecimento

 

Geraldo Resende agradeceu a médica Especialista em Cirurgia de Cabeça e Pescoço, Rosana Leite de Melo, que vinha dirigindo o Hospital Regional de MS desde novembro de 2019 e que deixou o comando para ser nomeada como secretária Extraordinária de Enfrentamento à Covid-19, criada pelo Ministério da Saúde.

 

“Quero dizer que o Mato Grosso do Sul se sente valorizado por meio da Secretaria de Estado de Saúde e do Hospital Regional de Mato Grosso do Sul, pela escolha do ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, por escolher a nossa colega, Rosana Leite, para coordenar todas as ações do enfrentamento à Covid no país. Ela já demostrou competência e muito compromisso quando diretora do HRMS”, pontua o secretário.

 

O HRMS é a principal referência no atendimento à paciente com Covid-19 no Estado. A unidade hospitalar também oferece Atendimento Ambulatorial e Hospitalar de média e alta complexidade, Assistência de alta complexidade em Nefrologia, Assistência ao portador de Obesidade Grave, Cuidados intermediários Neonatal, Oncologia Pediátrica, Cirurgia Cardiovascular, procedimentos de Cardiologia intervencionista, assistência de alta complexidade e Alta complexidade em Terapia Nutricional, entre outros serviços.

Covid-19: Mato Grosso do Sul registra mais 67 mortes e 30 só em Campo Grande, segundo dados da Secretaria de Saúde

Mais 1,789 casos de Covid 19 e 67 óbitos foram registrados nas últimas 24 horas em Mato Grosso do Sul, segundo o Boletim Oficial da Secretaria de Estado de Saúde.  O total de casos da doença passa agora para 317.621 e 7.636 perdas foram perdidas desde o início da pandemia.

 

Ainda falta as análises de 2.758 amostras no Lacen e 9.081 casos ainda estão sem encerramento nos municípios. A média móvel dos últimos 21 dias é de 1.467 casos.

 

Dos cinco municípios com maior número de novas ocorrências, a capital continua em primeiro lugar registrando mais 380 exames positivos elevando o total para 112.426. Em segundo lugar a cidade de Ivinhema aparece com mais 196 casos, Dourados com +136. Ponta Porã +87 e Brasilândia +65.

 

De acordo com a secretaria- adjunta da SES, Christine Maymone, todos os 79 municípios do Estado estão em situação de risco. Segundo ela a taxa de positividade está muito alta: de cada 100 testes 40 são positivos. “Não podemos deixar de nos assustar com os números”, alertou.

 

Infelizmente o número de mortes também segue alto. Nos últimos 21 dias o Estado registrou média móvel de 52,6. Em Campo Grande 30 pacientes perderam a luta contra a doença; em Corumbá, Dourados e Ponta Porã, foram 4 óbitos; Anastácio, Amambai, Fátima do Sul, Ladário, Mundo Novo e Três Lagoas registraram 2 mortes em cada.

 

 

As demais cidades aparecem no Boletim com registro de 1 óbito cada: Água Clara, Aparecida do Taboado, Bataguassu, Caarapó, Camapuã, Coronel Sapucaia, Jardim, Laguna Carapã, Miranda, Naviraí, Paraíso das Águas, Ribas do Rio Pardo e Sonora.

 

A ocupação de leitos continua em situação grave. De acordo com o Secretário Geraldo Resende, MS é o segundo estado com maior ocupação de leitos no País, atrás do Paraná.  Nas quatro macrorregiões do Estado a ocupação de leitos UTI/SUS está acima de 90%.

 

Campo Grande tem ocupação de 112%; Dourados 91%; Três Lagoas 96%, Corumbá 100%. Estão na fila de espera por leitos 111 pacientes, 96 só na capital. Outros Estados continuam recebendo pacientes do MS. Mais 3 pacientes foram encaminhados para o Estado de Rondônia.  No total 37 pacientes já foram transferidos para São Paulo, São Bernardo do Campo e Rondônia.

 

Estão em isolamento domiciliar 17,658 pacientes e hospitalizados 1.174. Deste total 623 estão em leitos clínicos e 551 em leitos de UTI.